quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Quase de um tudo

Eu não teria a menor dificuldade em escolher quem deveria sair nos reality shows: mandaria todos pra casa, incluindo participantes, diretores, patrocinadores e donos, livrando, apenas, o pessoal da técnica, que não tem culpa.

4 comentários:

J. C. David disse...

assino embaixo !!!

Anônimo disse...

Grande Neno,
É a história da Catilinária: "o tempora, o mores". Como podemos esperar programas inteligentes, se à própria TV (e aos donos de suas repetidoras, TODOS POLÍTICOS) interessa um público a cada dia mais idiota? Mais ainda: cada vez mais padronizado: todos torcendo Flamengo ou Corinhthians, todos gostando do lixo musical do momento, todos prontos para votar no próximo santo (patrocinado pelo capital) que aparecer, contrito, no horário político, dizendo que só quer "cuidar das pessoas" (Mas menino!!!) (Copyrigt by Neno)
Sabes, Neno, tirei grande proveito dos realities: ME LIVREI DA TV!
ENORME Abraço!
Aldo
João Pessoa-PB

Arimatéa disse...

Um dia o povo cansa e não quer ver mais esses lixos(não recicláveis). Isso tudo reflete a péssima qualidade da programação das tvs no Brasil. Apesar disso, temos bons exemplos como Senhor Brasil de Rolando Boldrin e algumas vezes bons filmes nas tvs Cultura, Brasil e Futura. Quando a Tv Diário estava na parabólica não perdia o Teveneno e os filmes das noites de sábado(saudades!).

Lina disse...

MInha colunista favorita!