sábado, 8 de agosto de 2009

Foco torto

Renan Calheiros não vale um cibazol, mas Tasso Jereissati não tinha nada que partir contra um manifestante. Ora, por que não se dirigiu a José Sarney, o vilão maior? Oportuno lembrar que Tasso já foi aliado de Sarney e até tentou ser ministro do velho coronel maranhense, sendo inclusive escolhido para a Fazenda e vetado por Ulysses Guimarães. Além de tudo isso, aquele gesto de menino rico mimado ("Eu tenho dinheiro. É meu, é meu, é meu"..), cá entre nós, nobre senador, soou meio ridículo.

3 comentários:

Arimatéa disse...

Neno, tirando o senador Simon, não sobra ninguém neste decepcionante senado. É vergonhoso o espetáculo de terror promovido pelos "nobres" senadores e tudo ao vivo pela Tv Senado.

jackson disse...

Tirando o Simon não!!! Também está com parafusos a menos. O nobre senador apóia as marmotices da Yeda Crusius

Anônimo disse...

"Soou meio ridículo", convenhamos, meu caro Neno, é um termo ameno, não?
Fernando Flexa