segunda-feira, 10 de dezembro de 2007


É muito importante até hoje a figura do jornalista-diagramador. Avaliem há dez, 20 ou 30 anos. É o diagramador que dá a feição gráfica às matérias e às colunas, além de calcular os espaços. O meu primeiro foi Vicente Paulo Mota, hoje vitorioso empresário do setor gráfico, a quem já me referi nestes ´30´. Vieram muitos outros: Manoel Martins, publicitário e fazendeiro, Glauco Bezerra (um dos mais perfeitos traços que conheci), Raimundo Filho, Chico Macedo, Luís William e mais recentemente kelma Coutinho, Adriana Rodrigues, Chagas Neto, Wilton Bezerra, Amauri Taumaturgo e um ou outro que a memória possa ter me aprontado, mas que nada me impede de lembrar mais adiante.

2 comentários:

newton silva disse...

Neno, sinto saudades do tempo em que digramávamos com a velha régua de "paicas", da prancheta, régua paralela, cola de sapateiro. E como a gente ficava esperando a "composição" chegar. Embora o computador veio dar uma indiscutível, inadiável e veliosíssima ajuda, aqueles tempos eram simplesmente fantásticos.

Neno Cavalcante disse...

é isso aí, meu bom camarada.
pareça, viu. ando com saudades.