sexta-feira, 27 de março de 2009

Sonho (quase) irrealizável


Já foi dito que a educação pública somente terá qualidade no dia em que os filhos dos homens públicos estudarem na escola oficial. Chegou em minha mão cópia do Projeto de Lei Nº 480/2007, de autoria do senador Cristóvam Buarque (PDT-DF) - uma das poucas vozes, se não a única, em defesa hoje da Educação -, oportunamente enviada pelo fortalezense Eriberto Morais, espectador do Teveneno. Artigo 1º - Os agentes públicos eleitos para os Poderes Executivos e Legislativos Federais, Estaduais, Municipais e do Distrito Federal são obrigados a matricular seus filhos e demais dependentes em escolas públicas de educação básica.

Segundo ato

Artigo 2º - Esta lei deverá entrar em vigor em todo o Brasil até no máximo 1º de janeiro de 2014. Parágrafo Único: As Câmaras de Vereadores e Assembléias Legislativas poderão antecipar este prazo para suas unidades respectivas. Dois anos depois, o projeto anda sonolento, meio esquecido no Senado. Se passar, o que é improvável, irá para a Câmara dos Deputados.

Epílogo

Lembro-me de que, em conversa com um deputado federal (não é mais e não foi dos piores, daí o meu espanto), ouvi esta observação sobre a fabulosa escola integrada, os Cieps de Brizola e Darcy Ribeiro: ´Bobagem. Quem quer, estuda até embaixo de uma árvore´. Ocorre que os filhos dos deputados, senadores, vereadores, prefeitos... estudam nos melhores colégios pagos.

Um comentário:

Paulo disse...

Cristóvão Buarque,pelo visto,tem excelente senso de humor.